A Vitamina D, o Exercício e o Sistema Imune
16/07/2020 | 23:12:16

O Brasil não está acostumado a viver em situação de restrição. Não vivenciamos perdas em
guerras e a ultima grande pandemia que nos atingiu foi a Gripe Espanhola no final da década
de 1910. A situação atípica desperta o interesse pela melhora da nossa saúde e imunidade.
O corpo humano é composto de mais de 10 trilhões de células trabalhando em equilíbrio e
harmonia. Para isso, diversos nutrientes são essenciais, como as proteínas para fortalecimento
muscular, os carboidratos que são quebrados em glicose e nos dão energia e as vitaminas, que
precisamos em pequenas quantidades, mas são indispensáveis para o bom funcionamento.
Uma vitamina é um nutriente que o nosso corpo não consegue produzir em quantidades
suficientes e, assim, é obtida na alimentação ou em outras fontes. Hoje são reconhecidas treze
vitaminas e dentre elas temos a Vitamina D.
Avaliando esta vitamina detalhadamente, ela tem características de um hormônio esteroide
(derivado do colesterol). Obtemos ela pela síntese na pele quando estamos expostos a luz
solar aos raios ultravioleta tipo B. Existe uma família de produtos relacionados com a Vitamina
D até chegar na sua forma ativa. Os do nosso organismo ou da alimentação por peixes como
atum, sardinha e salmão ou de derivados do leite, sua síntese começa a partir da vitamina D3 e
fontes vegetais fornecem a Vitamina D2. Ambos levam ao produto final, a Vitamina D ativa,
também chamada de Calcitriol.
Só pela alimentação não conseguiríamos quantidades suficientes de Vitamina D para o
funcionamento ideal do nosso corpo, fator que faz com que boa parte da população nacional
possua baixos níveis de vitamina D, seja pela rotina de trabalho sem exposição solar ou uso de
protetor. Diante deste fato, a Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda exposição ao
sol por cerca de 15 a 20 minutos por dia em grandes áreas do corpo, preservando o rosto e o
colo, antes das 10 e após as 16h. Essa exposição é suficiente para atingir o nível mínimo que é
30ng/ml e o médico pode recomendar suplementação.
No corpo, a vitamina D é responsável por funções do metabolismo do cálcio. No intestino
aumenta a absorção deste mineral. Nos rins, o cálcio que seria eliminado na urina também é
reabsorvido por conta da vitamina D. Por fim, o cálcio é armazenado nos nossos ossos, ou seja,
a vitamina D promove o crescimento e fortalecimento ósseo do corpo. A falta de Vitamina D
na infância pode levar ao raquitismo, crescimento abaixo do esperado e no adulto a
osteomalácia, condição que faz com que os nossos ossos fiquem frágeis e podem quebrar
facilmente. Ambas as condições são mais raras atualmente devido a fortificação alimentar com
cálcio e vitamina D.
Estima-se ainda que a vitamina D tenha uma grande importância no sistema imune, ativando
as células de defesa. Estudos mostram que baixos níveis de vitamina D levam ao aumento de
infecções. Essa correlação foi observada até na COVID-19 em países europeus. Embora uma
correlação não signifique uma causa da infecção, é certo que estar com os níveis adequados da
vitamina fortalecem o organismo.
Ainda que não exista um lado bom de viver uma pandemia, não podemos negar que ela
despertou em muitos de nós um alerta para buscar o melhor de nós mesmos. Assim como a
prática de exercícios físicos, o conhecimento sobre o nosso corpo também traz vários
benefícios. A vitamina D é importante não só para fortalecer os nossos ossos e deixar nosso

corpo mais resistente aos impactos do esporte como também aumentar nossa resistência
imunológica.