E se o exercício físico aumentasse a nossa resposta às vacinas?
27/01/2021 | 11:32:20

O nosso sistema imune é responsável por defender o nosso corpo de agentes infecciosos. Ter essas células preparadas para combater infecções e responder prontamente às vacinas é claramente muito desejável, sobretudo com uma pandemia em curso. De modo geral, o exercício já ajuda essa resposta, como mostra a maioria dos trabalhos científicos. Quem tem uma rotina de treinos de forma moderada tende a ficar menos resfriado ou até ter uma defesa melhor contra outros virus quando comparado a pessoas sedentárias.

Se você for uma dessas pessoas acostumadas a se exercitar, pode talvez obter uma maior resposta imunológica após vacina contra a gripe, por exemplo. Isso de acordo com dois novos estudos sobre vacinas e exercícios. Eles pesquisaram que atletas de diversas atividades como corrida, natação, lutas, ciclismo e outros tem uma resposta amplificada após a vacinação. É um achado particular e de extrema importância no contexto atual, ainda mais em época de surgimento de casos de gripe, além da COVID-19. Então, se exercitar horas antes de tomar a vacina da gripe provavelmente desenvolverá uma resposta imunológica mais rápida e potente, é o que indicam os estudos.

Agora calma. Há também associações negativas de exercícios com diminuição da resposta imune. Exercícios intensos e exaustivos podem exaurir a energia disponível para o funcionamento das nossas células e isso prejudicaria também a resposta imune em um curto prazo. Muitas perguntas ainda precisam ser feitas sobre como os exercícios extenuantes afetam a resposta imune e a capacidade do nosso corpo de responder favorável a vacinação, mas estamos mais próximos de compreender como um todo. Para isso, os estudiosos tentam encontrar atletas competitivos como voluntários para as pesquisas, já que muitos acabam não participando ou relatam baixas taxas de vacinação nestes grupos, pois acreditam que as vacinas poderiam causar efeitos colaterais em seus treinos.

Embora difícil, foi possível recrutar 45 atletas jovens, em forma, de elite, ambos os sexos para um estudo alemão. Esses voluntários praticavam esportes com maratona, luta livre e esportes coletivos, como basquete. E eles estavam nas temporadas de competição.

No primeiro trabalho publicado foram avaliados atletas e jovens saudáveis, mas não atletas para comparação. Todos eles receberam a vacina da gripe e relataram os efeitos colaterais observados quando existiram. Os grupos, após duas semanas e seis meses após a vacinação, voltaram ao laboratório, coletaram sangue em busca de anticorpos e células de defesa anti-influenza e os achados mostraram quantidade de células e anticorpos muito maior nos atletas que no grupo dos jovens. É um achado e tanto para a imunologia!

Os pesquisadores especulam que o fortalecimento do sistema imunológico dos atletas foi ajustado devido as demandas físicas diárias, permitindo que respondessem de forma mais eficaz. Mas é importante ressaltar que os estudos não avaliaram os efeitos agudos podem ou não afetar as reações do corpo a uma vacina, assim, um segundo estudo foi realizado.

O segundo trabalho visava comparar o número de células imunológicas e anticorpos nos atletas que receberam a vacina duas horas após a sessão de treinamento mais recente e comparar com os que a injeção ocorreu um dia após o último treino. Se o treinamento intenso diminuísse as reações, era de se esperar que o primeiro grupo apresentasse menos células. Com os resultados em mãos, foi possível observar que não houve diferença nos dois grupos.

Com isso, é possível observar que estar em atividade pode provavelmente aumentar a nossa proteção após uma vacinação, desde que uma atividade moderada, mas não extenuante. Embora os estudos tenham utilizado atletas de elite, acredita-se que os resultados podem ser extrapolados para atletas mais casuais, que estes também devem ter melhores respostas após vacinação contra a gripe que pessoas sedentárias.

Ainda que os trabalhos tenham sido avaliados com vacina contra H1N1, como os princípios de uma resposta imune são parecidas em comparação a COVID-19, é possível que uma pessoa ativa possa se beneficiar também da resposta imune aumentada após se vacinar contra a COVID-19. Claro, é preciso esperar por um estudo que confirme essa possibilidade agora que vacinas já estão disponíveis, mas está claro que um corpo ativo pode induzir respostas imunes mais intensas.
Os trabalhos podem ser encontrados nos periódicos que foram publicados: Brain, Behavior, and Immunity e Medicine & Science in Sports & Exercise.

Fontes dos artigos:
Ledo A, Schub D, Ziller C, Enders M, Stenger T, Gärtner BC, Schmidt T, Meyer T, Sester M. Elite athletes on regular training show more pronounced induction of vaccine-specific T-cells and antibodies after tetravalent influenza vaccination than controls. Brain Behav Immun. 2020 Jan;83:135-145. doi: 10.1016/j.bbi.2019.09.024. Epub 2019 Sep 30. PMID: 31580932.
STENGER, TANJA1; LEDO, ALEXANDRA2; ZILLER, CLEMENS1; SCHUB, DAVID2; SCHMIDT, TINA2; ENDERS, MARTIN3; GÄRTNER, BARBARA C.4; SESTER, MARTINA2; MEYER, TIM1 Timing Of Vaccination After Training: Immune Response And Side Effects In Athletes, Medicine & Science In Sports & Exercise: July 2020 - Volume 52 - Issue 7 - P 1603-1609 Doi: 10.1249/MSS.0000000000002278

Por: Prof. Dr. Pablo Ramon Gualberto Cardoso